Post Content
Algumas décadas atrás, a maioria dos recém-casados gostavam de passar a lua de mel em um cruzeiro ou no próprio país em outras cidades e prais.

 

No momento que irão decidir para onde irão lembre-se que esta é uma excelente oportunidade para conhecer outros lugares, outras culturas, outras tradições.

 

Então, já que você pode escrever o seu próprio itinerário de lua de mel, por que não ir para lugares exótico?

 

Vejam abaixo os 4 destinos de lua-de-mel mais exóticos que estão em alta:

 

Wellington, Nova Zelândia

 

 

Wellington é a capital da Nova Zelândia com cerca de 600 mil habitantes, além de ser a capital cultural do país. A cidade é também a sede do Governo e do Parlamento da Nova Zelândia.
A cidade é bastante moderna e estruturada construida em encostas de morros com vista para a Baía de Port Nicholson. Uma das coisas legais de Wellington, é que é bem compacta e fácil de se locomover a pé. Toda a parte portuária foi transformada em uma imensa área de lazer, com parques e muitas atrações rolando o tempo todo.
Wellington oferece excelentes opções de estudo, trabalho e alta qualidade de vida. Outra coisa à nível de curiosidade, é que por Wellington estar em cima de uma falha geológica e ser susceptível a terremotos, muitas construções foram erguidas em cima de calços de borracha gigantes, incluindo prédios governamentais. Para os Surfistas, Palliser Bay tem altas ondas caso o vento coopere. Para quem não gosta de água fria, a Oriental Parade, que acompanha a baía, tem parques à beira mar, é um bonito passeio a pé.
De Wellington saem os barcos tipo Ferry para a Ilha do Sul até a cidade de Picton. A saída de Wellington e a chegada em Picton são os pontos altos da viagem. Não é raro ter muitos golfinhos seguindo a embarcação, e quando o ferry sai do estreito e entra no longo estuário protegido, até chegar no Porto de Picton (foto), o cenário vira coisa de cartão postal. A água do mar é tão transparente que parece que o navio flutua no ar.

 

Montevideo, Uruguai

 

 

Quem procura fazer turismo em uma capital sul-americana com ares europeus e sem a agitação da capital argentina não pode deixar de incluir Montevidéu no roteiro.
Uma das mais vibrantes cidades internacionais do hemisfério ocidental, Montevidéu é relativamente pequena – tem cerca de 1,3 milhão de habitantes – e não oferece tantas opções de entretenimento, mas a capital mais jovem da América Latina foi fundada na primeira metade do século 18, tem um clima tranquilo de interior raro em outras grandes cidades hispânicas da América do Sul, além de um Centro Histórico com casarões coloniais, praças e parques.
O passeio pelo centro antigo começa na Puerta de la Ciudadela, marco zero do setor histórico, que conecta com a Plaza Independencia. Na esquina com a Avenida 18 de Julio, principal artéria da cidade, está o emblemático Palacio Salvo, de 1925, cartão-postal de Montevidéu. Ali perto, na Avenida Reconquista, outro ponto de referência é o Teatro Solís, de 1856, que mantém variada agenda com espetáculos de música, teatro e dança.
Também há bons museus, como o Torres García, dedicado a um dos artistas contemporâneos mais importantes da América do Sul, cuja prolífica obra inclui o mapa invertido do continente. E, para quem gosta de futebol, o Estádio Centenário, palco da primeira Copa do Mundo, em 1930, conta com um interessante acervo.
Não deixe de curtir algumas horas percorrendo as Ramblas, calçadões com vista para o Rio da Prata que têm ciclovias e áreas para descanso com pequenos mirantes ao longo do trajeto.
A mesa uruguaia venera cortes de carne (de boi ou cordeiro, principalmente) acompanhados por um bom vinho. Ao lado dos asados, também são encontradas ótimas empanadas, frutos do mar e massas, além de sobremesas como o imbatível doce de leite e, claro, alfajores. Com mais de 20 restaurantes, o Mercado del Puerto é o endereço certo para ser apresentado às delícias e tentações da gastronomia uruguaia.

 

Seul, Coréia do Sul

 

 

Oficialmente, Seul (Cidade Especial de Seul) é a capital, bem como a maior e mais importante cidade da Coreia do Sul, situada no noroeste do país, nas margens do rio Han.
Seul é o principal e mais desenvolvido centro financeiro e comercial da Coreia do Sul, e um dos principais do continente asiático e do mundo.
A exemplo de Tóquio, a capital da Coreia do Sul é uma daquelas típicas metrópoles em que o novo e o antigo convivem pacificamente no mesmo território. É muito curioso observar os edifícios espelhados típicos do mundo atual em contraste com tradicionais templos budistas. O país todo tem mais de três mil templos para uma população de 48 milhões de habitantes, o dobro de pessoas da Coreia do Norte.
Ao lado disso, alguns dos atrativos turísticos que mais chamam a atenção dos visitantes são suas riquezas antigas, como os gigantescos palácios das dinastias que comandaram o país no passado. O Changdeokgung data do século 15, e o Gyengbokgung abriga um museu do folclore, por exemplo. Também os templos budistas atraem estrangeiros e inclusive têm programas especiais de visitas com hospedagem. Outros pontos de interesse da cidade são as zonas comerciais e os mercados lotados de lojas e barraquinhas com uma infinidade de produtos a preços baixos. Os mais famosos são o Namdaemun e o Dongdaemun. A variedade é gigantesca e vai de roupas a eletrônicos. Por isso é sempre bom embarcar com espaço na bagagem ou mesmo levar uma mala vazia, para ser preenchida apenas na volta.
Seul, além de todas essas riquezas, ainda preserva o ambiente. Um passeio de barco pelo rio Han, que corta a cidade de leste a oeste e totaliza 27 pontes, mostra como suas águas são límpidas. Prova disso são as velas de windsurfe que pontuam a paisagem. Também o riacho Cheonggyechon é um exemplo de curso d’água transparente. E fica em plena Downtown.
Para ver tudo isso do alto, nada melhor do que subir a Torre de Seul, com seu observatório de 360 graus. Seul é definitivamente um destino de visita obrigatória.

 

Zanzibar, Tanzânia

 

 

Zanzibar é um conjunto de ilhas ao largo da costa da Tanzânia, possuindo um status semi-autônomo. O arquipélago é formado pelas ilhas Zanzibar e Pemba, e por uma miríade de ilhotas que as cercam. A principal cidade da área também é conhecida como Zanzibar, e sua Stone Town foi declarada como patrimônio da humanidade pela Unesco.
Como resultado, você tem um local repleto de beleza natural e rica história. Sua arquitetura única, um cruzamento entre influências árabes, hindus, africanas e europeias, possui um ar harmônico, típico dos portos mercantes da África Oriental, muito utilizados no tráfico de escravos. Suas belíssimas praias de areias brancas e mar azul são a grande atração da região.
O país é o lar da mais alta montanha da África, o mais profundo lago, a maior reserva de caça e 120 grupos étnicos diferentes, todos trabalhando juntos em harmonia.
É possível visitar o país em todas as épocas do ano. No entanto, o melhor período é o inverno, de junho a setembro, quando o tempo está mais seco e muitos turistas combinam visitas com safáris.

 

Então, já escolheu o seu destino de lua-de-mel?

 

Aguardo seus comentários!

 

Beijos

 

______Patricia Fortes
Noivas do Brasil
Twitter: @noivasdobrasil
Instagram: @patyfortes | @noivasdobrasil

 

créditos: Viajeaqui | PortoOceania | Uol Viagens | TripAdvisor | Google Imagens |
Patricia Fortes é Pernambucana e Empresária. Formada em Psicologia com MBA em Planejamento de gestão de pessoas, apaixonou-se por eventos, planejou cada detalhe do seu casamento. Identificou-se tanto com o assunto que em 2009 fundou o Blog Noivas do Brasil, um blog com uma proposta de conteúdo exclusivo para noivas de todo o Brasil.
No início o objetivo era compartilhar idéias de casamentos com outras noivas, mas logo, tornou-se uma referência nacional. Fascinada por este mundo, está sempre antenada as tendências e novidades do ramo.